Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2006

[40]

Para a minha amiga que se surpreendeu com a idéia de que lógicos se deleitem com a poesia:

Ora, filósofos são criadores de possibilidades, lógicos são cientistas das possibilidades e os poetas são exploradores das possibilidades. Estas tarefas não são exclusivas, sendo assim, não é incomum ver um poeta lógico, um filósofo poeta, um lógico filósofo etc. O filósofo cria compulsivamente em virtude da sua vontade de abarcar o mundo. Às vezes, ele cria o que não pode ser criado. Cabe ao lógico, então, fazer uma faxina. Ele tem compulsão por limpeza. Verdade seja dita, o lógico também é muito criativo e engenhoso. Suas ferramentas usadas para limplar a sujeira deixada pelo filósofo são forjadas por ele mesmo. Mas de que adiantaria um mundo rico e limpo se não houvesse ninguém para explorá-lo? Então vem o poeta que aponta as belezas que o filósofo nem vê ao criar, que se diverte interagindo com as novas possibilidades. O poeta vive compulsivamente. Um precisa do outro. O filósofo carece do es…