Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2009

[133] Quanto tempo dura uma crença?

Eu creio que há uma mesa no meio da minha sala, pois acabo de olhar para ela. Formei a crença. Por quanto tempo é razoável atribuir-me esta crença? Alguns minutos mais tarde, já na rua, cotinuo a acreditar que há uma mesa no meio da minha sala, sem estar em condições de vê-la neste instante e, ainda assim, estou justificado a ter e manter esta crença. Quais os critérios para atribuir a manutenção da crença? A resposta correta parece-me ser: depende do que se sabe sobre a constância do objeto da crença. No caso em questão, o objeto da crença é o lugar em que a mesa se encontra. Sabemos que uma mesa não muda de lugar sozinha e na ausência de qualquer razão contrária à sua permanência no lugar onde se encontra, estamos justificados a assumir que ela continua onde estava e, portanto, não emerge a necessidade de novas verificações. Na ausência desta necessidade, estamos licenciados a atribuir a permanência da crença. A situação é diferente, por exemplo,  se o objeto da crença fosse a quant…

[132] Liberdade e Compulsão IV

É preciso esclarecer o conceito de compulsão. Nas postagens anteriroes (ver [129]), tentei interpretá-lo estatisticamente, isto é, apenas por uma perspectiva da teceira pessoa, mas há elementos fundamentais da perspectiva da primeira pessoa necessários para caracterizar a compulsão. O que estava faltando é o fato de que uma vontade compulsiva (boa ou má) não é reconhecida pelo sujeito como um vontade sua. O sujeito tem a vontade, mas a vontade é percebida como algo que lhe acontece, assim como a visão de qualquer coisa é percebida como algo que nos acontece. Este caráter impositivo da vontade compulsiva, ausente nas vontades não-compulsivas, gera ansiedade no indivíduo. 

Então, de duas uma, ou descrevemos o caso da pessoa santa como alguém que sempre faz o certo por ter a vontade não-compulsiva de fazer o certo, isto é, essas pessoas não têm vontades de fazer o certo que não são percebidas como suas, e, assim, elas não podem ser caracterizadas como compulsivas, ou essas vontades são do…

[130] Sellars e A lógica de "parece"

"X parece F a S" não é o relato de algo que se apreende imediatamente. O
conteúdo de "X parece F a S" é que X é F. Se X é F, então a experiência
por trás de "X parece F a S" é a experiência de ver que X é F. Se X não
é F, então a experiência não é de ver. Trata-se de uma experiência
enganosa.

Gostaríamos de ter algo mais imediato para caracterizar esta experiência
enganosa. Mas talvez não tenhamos. Ou talvez não precisemos. "O bastão
semi-imerso na água parece torto". Temos aqui um parecer qualitativo,
não endossamos a propriedade de ser torto do bastão. Qual o conteúdo
desta experiência? Seu conteúdo é a de que o bastão é torto. Temos o
mesmo tipo de experiência que teríamos se o bastão fosse torto. Na
verdade, neste caso é mais adequado dizer que estamos diante de um
parecer genérico. O bastão parece torto sem parecer um torto
determinado, pois a presença da água no cenário impede que o bastão
pareça um torto determinado, isto é, impede que o bastão pareça
e…

[129] Liberdae e compulsão III

Continuando a discussão de [127] e [125]:Por que o comportamento compulsivo é ruim? Porque ele impede que tenhamos relações interpessoais. Esta é uma descrição de um valor da nossa sociedade. Agimos e julgamos assim. Conforme a compulsão é mais ou menos intensa, ela dificultará mais ou menos o comprometimento com as relações interpessoais e, portanto, ela será considerada mais ou menos maléfica. 
Se, no entanto, a vontade compulsiva é boa, isso não abrandaria o julgamento que fazemos da compulsão como ruim? Mesmo se a vontade compulsiva é boa, se o grau de compulsão é ruim, o comportamento geral do indivíduo será considerado mais maléfico que benéfico. Se uma pessoa é compulsiva por ajudar os outros, mas para saciar esta compulsão deixa de lado o cuidado de si, se esquece de se alimentar, e não ocupa o seu tempo com outras coisas que a ajuda ao próximo, dificilmente ela estará dando a atenção necessária à manutenção das suas relações interpessoais e estará até mesmo sendo irresponsável…

[128] Aderência à vida

A teia de relacionamentos humanos é talvez a forma mais robusta de
aderência à vida. Despreender-se da vida, das coisas da vida, exige o
que Strawson chamou de 'atitude egoísta' diante dos outros. Isto é, nos
relacionamos com os outros sem se comprometer com eles, a não ser na
justa medida em que o comprometimento é necessário para a preservação
destes outros enquanto meios para obter fins que almejamos. O
relacionamento com os outros, a partir desta atitude, não desperta
nenhum sentimento de responsabilidade para com eles. O convívio, assim,
não pede a adesão à vida. Em contrapartida, o custo de não desejar se
sentir preso à vida é elevado, demanda a mais absoluta solidão
existencial. Uma vez que o relacionamento com os outros é tratado como
meio e não como um fim, sensações como a de confiança, empatia,
solidariedade, fundamentais para abrandar a sensação de solidão, estão
bloqueadas de partida. Confiança, empatia e solidariedade exigem o
comprometimento que só é possível quando o relacio…