Pular para o conteúdo principal

[94] Internalismo e Externalismo

Há uma grande diversidade de modos de se distinguir externo de interno, alguns deles triviais e outros não. A distinção costuma ser borrada ou difícil de se sustentar quando introduzida com mais de um modalizador, i.e, possível e acessível. Por exemplo, podemos definir o internalismo a respeito do conteúdo mental assim: o conteúdo de qualquer pensamento é determinado por fatores acessíveis ao sujeito. A pergunta que obviamente se levanta diz respeito aos limites e restrições do acesso. Por qual meio é feito o acesso aos fatores determinantes, apenas por pensamentos proposicionais ou imagens e percepções também são aceitas? Os fatores determinantes do pensamento p devem ser acessíveis apenas no momento em que o sujeito pensa p ou podemos relaxar essa restrição e dizer que eles podem ser acessíveis em algum momento? Aqui já complicamos um pouco, pois usamos um outro modalizador para restringir o acesso. Fatores que um sujeito pode acessar é um tanto quanto vago. O modalizador pode carece tanto de restrição quanto o modalizador acessível , de modo que restringir este por aquele não nos leva muito longe. Perguntas similares se levantam: pode como? Fatores inconscientes que são trazidos à consciência por meio de hipnose contam? Fatores aos quais o sujeito vem a tomar conhecimento com a aprendizagem também contam? Enfim, fatores que o sujeito pode acessar sem maiores restrições englobam absolutamente tudo, deixando de lado talvez apenas o transcendente, a coisa-em-si e aí começamos a nos perguntar se a distinção nestes termos é útil para alguma coisa. Para as ciências, dificilmente.

Um distinção um pouco mais trivial: fatores externos são aqueles que se encontram fora dos limites corporais de uma pessoa, sob uma descrição física destes mesmos fatores. Embora os limites corporais sejam difusos sob a perspectiva atômica, não é sob a perspectiva macroscópica, da qual parte praticamente toda a psicologia que conhecemos. Assim, essa distinção pode ser usada pela psicologia. Se vai realmente ser produtivo é uma outra questão. Certamente será difícil explicar a determinação dos conteúdos dos nossos pensamentos, devido à relação que o sujeito mantém, na primeira pessoa, com esses conteúdos, por meio de fatores descritos apenas fisicamente, na terceira pessoa.

Embora eu tenha dito que definir externo em oposição a interno com mais de um modalizador possa nos levar a distinções confusas, nem sempre é o caso. Para tratar da justificação, na epistemologia, é comum valer-se da seguinte definição internalista acessibilista: um fator pode contribuir para a justificação da crença Q de S desde que esteja acessível a S no momento em que ele mantém Q. Para não complicar, vamos considerar apenas as crenças que o sujeito mantém conscientemente. Tal definição exclui fatores não só inconscientes, mas também os potencialmente-conscientes, porém inconscientes no momento. Conforme a necessidade, podemos alargar o acesso deste sujeito pelo modalizador pode desde que este seja restringido por algo diverso do próprio acesso, por exemplo, alguma capacidade cognitiva do sujeito. Assim teríamos: um fator pode contribuir para a justificação da crença Q de S desde que seja acessível a S, isto é, desde que ele já esteja consciente deste fator ou possa dele se lembrar no momento em que ele mantém Q. Neste caso, usamos a capacidade mnemônica para restringir o modalizador pode.

Distinções podemos fazer de mil e uma maneiras, se vamos usá-las ou não depende da utilidade do contraste que elas criam para a explicação dos fenômenos que nos interessam compreender. Não há receita de bolo, mas podemos fazer algumas recomendações. Primeiro, explicite sob quais linguagens descritivas o exlanandum (aquilo que será explicado) e o explanans (a explicação, os fatores que determinam ou causam o seu explanandum) vão ser descritos. O explanans vai estar apenas numa linguagem física e feito na terceira pessoa? E o explanandum, permitirá descrições na primeira pessoa? Deixe isso claro. Em seguida, ao tratar das relações entre explanans e explanandum, explicite bem quais modalizadores está usando e, por fim, como esses modalizadores devem ser restringidos, evitando, assim, cair numa distinção que contrasta o tudo com o nada, a qual, serve, ao mesmo tempo, para tudo e nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…