Pular para o conteúdo principal

[102] Relativismo e Irracionalismo

Irracionalismo é a tese de que os nossos julgamentos são arbitrários. O irracionalismo pode aplicar-se apenas a um setor do conhecimento humano. Por exemplo, podemos ser irracionalistas morais. Assim, julgamentos morais sobre como agir, o que fazer, o que é certo e errado são arbitrários, não temos uma razão para eles, eles não se fundam em nada que possa legitimá-los diante dos outros. Podem ser fomentados por nossas emoções ou desejos, mas nada disso tira a sua arbitrariedade diante da razão. Chegaríamos ao irracionalismo moral se tivéssemos razões para pensar que não há nada na razão que pudesse amparar julgamentos morais. Isto é, dado um dilema moral do tipo "devo fazer X ou ~X", não há ao que apelar racionalmente para decidir a questão. Donde se seque que, qualquer decisão que você tomar, seja a favor de X, seja de ~X, será arbitrária.

Como poderia a razão ser tão indiferente à moralidade? Primeiro vejamos o que conferiria autoridade racional a um julgamento moral, pois aí talvez tenhamos a pista do que poderia ser perdido. Devo dizer a verdade ou a mentira, na maioria das vezes? Estou inclinado à primeira opção, pois dizer a verdade é algo bom, e mentir é algo ruim. Assim, se é um fato que dizer a verdade é algo bom, tenho como justificar o julgamento moral de que devemos dizer a verdade. Um fato moral confere autoridade a um julgamento moral. E se não houver fatos morais? Se, ao afirmar que dizer a verdade é algo bom, estou apenas indicando a minha preferência, então, embora possa ser um fato sobre as minhas preferências que dizer a verdade é algo bom, não se segue daí que isto seja um fato moral ou um fato moral repleto de autoridade para justificar os nossos julgamentos morais. A autoridade dos fatos morais parece depender de que eles não repousem sobre as minhas preferências, nem de ninguém.

O relativismo, deste modo, parece implicar o irracionalismo ao subtrair dos fatos morais a sua autoridade. Como o faz? Relativizando os fatos morais às preferências do sujeito ou a qualquer outro parâmetro que permita ampla variação. Se, ao dizer que mentir é ruim, devo acrescentar um "para mim", ou "para você", ou ainda "para um fulano qualquer", então o fato relativizado que se obtém já não tem mais força racional para fazer com que o julgamento moral que se baseia nele se imponha aos demais. Se a relativização retira dos fatos morais a sua autoridade, então qualquer que seja o nosso julgamento moral, ele não parece repousar em uma base racional, ele não tem forças para se impor a ninguém, quando muito, a mim, que o originei. Segue-se, então, o irracionalismo.

Devemos resistir a essa conclusão, a saber, que o relativismo sobre X implica o irracionalismo sobre X. Há uma premissa oculta aqui e passível de contestação: se o fato sobre o qual repousa um julgamento não confere a este autoridade universal, então ele não constitui uma base racional para o julgamento. Em outras palavras, nenhuma racionalidade sem universalidade. É preciso deixar claro, no entanto, que este é o tipo de premissa que dificilmente se defende ou se contesta a não ser circularmente. Universalistas se apoiarão nela para defender ela mesma, e relativistas se apoiarão na sua negação para defender o contrário. Para os universalistas, o irracionalismo se segue do relativismo. Para os relativistas, não. E talvez essa seja uma conclusão demasiadamente relativista. Que seja.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…