Pular para o conteúdo principal

[155] De quando a vaidade e a arrogância dão com os burros n'água

A falácia do sábio vaidoso.

Se você desconhece um assunto, o que seria razoável dizer sobre o assunto? Absolutamente nada, ou, no máximo, a confissão do seu não-saber sobre tal assunto. Há, no entanto, aqueles que preferem fazer algo bem diverso. Diante de um assunto que desconhecem, para não ter de reconhecer o seu não-saber, optam por desclassificar este assunto através de ironia, cinismo e piadas. A tática é fazer com que o interlocutor perceba o assunto em questão como insignificante, irrelevante e desprezível, como não digno de qualquer atenção. Assim, não saber nada sobre este assunto não é um demérito, ao contrário, é uma virtude. O resultado almejado é deixar incólume a percepção que o seu interlocutor tem do seu vasto saber, na pressuposição, é claro, de que não saber algo depõe contra a sua sapiência e erudição. Por esta estratégia, muitos "sábios" permanecem parecendo sábios a despeito de sua vasta insipiência. Ou não. É evidente que esta estratégia só tem chances de funcionar em um público leigo, que, como o suposto sábio, não sabe nada sobre o assunto desclassificado. Se, ao contrário, o público alvo conhece o assunto que está sendo desclassificado pelo suposto sábio e, ao contrário do suposto sábio, reconhece a relevância do assunto, então, aos olhos do público, o suposto sábio parecerá triplamente tolo: 1) por ter considerado como irrelevante e desprezível um assunto que é relevante; 2) por ter presumido que o público é leigo no assunto e, por fim, 3) por ter pretendido manter a aparência de grande sapiência por um procedimento epistemicamente tão arriscado.

A falácia da autoridade arrogante.

Vejamos o seguinte diálogo entre uma Autoridade filosófica e um estudioso desconhecido de filosofia:

Autoridade: Mas o que se estuda aqui em filosofia da religião?
Estudioso desconhecido: Uma questão frutífera nesta área é a razoabilidade da crença em Deus, a qual filósofos como William Alston e Alvin Plantinga, por exemplo, se dedicam.
Autoridade: Nunca ouvi falar desses sujeitos.
Silêncio.

A Autoridade tem a seu favor justamente a sua autoridade e vale-se dela para desclassificar como relevantes os filósofos mencionados e, por tabela, desclassificar como relevante a questão da razoabilidade da crença em Deus. A força desta estratégia depende, obviamente, do que a Autoridade é autoridade. Se ela é uma autoridade em filosofia da religião, sua estratégia teria alguma relevância epistêmica, mas não muita. Se não é autoridade sobre o assunto, então estamos diante de uma falácia vergonhosa, pois se a Autoridade não é autoridade em filosofia da religião, a única conclusão que podemos extrair do seu desconhecimento da existência dos mencionados filósofos é que a Autoridade, embora autoridade em um assunto, é um completo leigo em filosofia da religião, pois se soubesse o mínimo sobre o assunto não teria dito o que disse. Suponhamos, pelo benefício da dúvida, que ela é uma autoridade em filosofia da religião. Qual a força da sua sentença: "nunca ouvi falar desses autores"? Sua força dependerá do que sabe o seu interlocutor. Se o estudioso desconhecido tem um razoável trato com a área de filosofia da religião, ao invés de concluir que errou em presumir que os referidos filósofos são relevantes na área, pode legitimamente inferir que, embora a Autoridade tenha uma reconhecida autoridade em um certo meio, talvez ela de fato não seja uma autoridade na área, pois, de outra forma, não teria dito o que disse. Se o estudioso desconhecido tem apenas um trato incipiente com a área, provavelmente suspenderá o conhecimento que achava ter da área diante da proclamação da Autoridade, caso em que a autoridade da Autoridade não é posta em questão. Disto fica claro que só é razoável para a Autoridade empregar esta estratégia se ela tem alguma razão para pensar que o público ao qual se dirige é leigo no assunto que ela pretende desclassificar, pois, de outro modo, ela corre o risco de colocar a sua própria autoridade em descrédito.

Lição: o arrogante corre um sério risco de ver-se levado ao auto-engano em virtude da sua própria arrogância. Ele tende a presumir com muita facilidade que o seu público é muito leigo relativamente a si, o que o faz se sentir seguro para utilizar estratagemas argumentativos que só seriam eficazes caso, de fato, o público fosse muito leigo relativamente a si. O que nos leva a um resultado interessante: o arrogante, para ser seguramente arrogante, precisa cercar-se de uma dose elevada de prudência, isto é, só é razoável (o que não significa que seja correto) despejar a arrogância se ela for previamente pautada pela prudência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…