Pular para o conteúdo principal

[3]

Nunca dei muita pelota para os estudos psicológicos que buscam mostrar que o ser humano pensa ilogicamente. Há muito espaço para como interpretar os resultados destes experimentos, sem contar as condições em que eles geralmente são realizados. Mas essa semana eu pude constatar a dificuldade que as pessoas têm em lidar com a implicação material. Chega a ser espantoso. Minha conclusão é que as pessoas realmente caem com enorme facilidade na falácia do conseqüente. Ou seja, elas geralmente desenvolvem o seguinte raciocínio:

Se A, então B
B
-------------
Logo A.

Existe uma maneira muito simples de perceber que este raciocínio é inválido. Se substituírmos as premissas A e B, reespectivamente por "Se chove, então a rua está molhada" e "a rua está molhada", então podemos ver claramente que a conclusão "chove/choveu" não se segue das premissas. Afinal, um caminhão-pipa poderia ter passado pela rua e lançado água sobre ela.

Notei também que as pessoas têm mais facilidade em cair nessa falácia do que em perceber que o enunciado "Se não B, então não A" é equivalente ao enunciado "Se A, então B". É mais comum, portanto, elas aderirem à falácia acima do que aceitarem o correto raciocínio abaixo:

Se chove, então a rua está molhada.
A rua não está molhada.
--------------------------------------------
Logo, não choveu.

Talvez possamos apelar para uma psicologia humeana a fim de explicar essa aceitação mais fácil da falácia e a repulsa ligeira do argumento válido. Em nossa percepção do mundo, constantemente vemos em concomitância a causa e o efeito, o antecedente e o conseqüente e isso nos leva ao hábito de pensamento de tomar o efeito como signo da presença da causa. Se sempre vemos o fogo gerando fumaça, vai chegar um momento em que, ao vermos apenas a fumaça, vamos imeditamente pensar que há fogo. Como o mundo é razoavelmente regular, esse raciocínio nem sempre nos leva ao erro. No entanto, é enganoso pensar que a presença da fumaça sempre implique a presença de fogo. A relação causal é do fogo para a fumaça e não da fumaça para o fogo. E um mesmo efeito pode ter causas diversas. A fumaça, por exemplo, poderia ter sido causada por uma reação química diferente da combustão e, portanto, sem a presença de fogo. Em todo caso, como estamos falando de hábitos de pensamento e, em especial, de pessoas sem uma mínima educação em lógica, parece natural que uma percepção constante da concomitância da causa e do efeito, em geral, instalam no indivíduo o hábito de pensar que do efeito pode-se concluir a presença da causa. Talvez como regra prática, haja vista a constituição singular do nosso mundo, essa inferência seja satisfatória, mas ela certamente não é dedutivamente válida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…