Pular para o conteúdo principal

[38]

Assuma o seu presente, decida! Metade do seu corpo está para fora de um poço. Suas pernas estão para o lado de dentro. Alguns fantasmas as seguram e puxam para baixo. Elas são o seu passado. Seu futuro é todo o horizonte que você pode vislumbrar do lado de fora mais tudo aquilo que está além dele. Uma planície infinita com direções infinitas. Você tem medo de escolher o caminho errado. Mas que sentido tem falar de caminhos certos ou errados se são em número infinito e se você não tem a perspectiva do destino? Se fosse possível percorrer todos eles e comparar os seus destinos, talvez pudéssemos falar em pior ou melhor caminho. Esta possibilidade, contudo, não existe. Aceite a sua limitação. Só tens um destino visível: a escolha. Seja forte, balance as pernas, chute seus fantasmas. Ninguém disse que seria fácil. Quando conseguir sair do poço, não olhe para dentro. Seus fantasmas inspiram compaixão, irão pedir a tua mão, como se eles pudessem ultrapassar a linha do presente em direção ao futuro com a sua ajuda. Mas não podem. Não se afunde novamente. Siga em frente. Assuma o seu presente, decida, liberte-se!

Comentários

Leben disse…
Liberto-me. É somente o que tenho feito: mergulhar, livre e consciente, na vastidão do infinito.

Ninguém disse, é verdade, que seria fácil; mas é. É tão fácil...

No espaço entre uma e outra letra, uma e outra palavra, uma e outra linha, uma e outra página; no infinitésimo ou na totalidade do tempo, seja como for, está lá, imponente e suave, dinâmico e irremovível, o infinito.
Leben disse…
O infinito é um só.
Leben disse…
O infinito é um só, mas tão várias podem ser as formas de mergulhar nele...

E tudo são deliciosas possibilidades, magníficas e saborosas dúvidas...

Continuar advogando, perto dela e estando dentro dela (USP), ou aceitar uma proposta para Brasília e penetrar nas emoções da Filosofia da UNB?

Ou nenhuma destas coisas...e outra coisa.
Que importa? Tudo é uma maravilha; resta saber qual delas escolher...

Tudo no infinito é crescimento, quando se é em si.
Leben disse…
Nada é como antes...

"Quem sabe o coração me dirá;
Dirá se cabe ou não no mesmo lugar...Quem sabe...

Tanta felicidade é o rio que vai.
Um lugar comum, onde nós dois somos um...".(N.M)
Leben disse…
Infinito,

Será o que o J. Neto imaginou que isso cairia como uma luva para mim?
Todavia, essa não é a música que compus para o Infinito.

E, modéstias a parte, a música que fiz...Creio que ele adoraria ouvir; está melhor do que qualquer coisa que eu escreva.

Não escrevo bem; todavia, eu canto, e componho, espetacularmente bem...

Mas leia-mos...



Uma Chance em Mil (J.Neto)

“De repente, quando menos se espera
O amor vai tocar você
Se no começo você não entender
É normal
Mas você vai se acostumar no final
Deixa acontecer, e você vai ver
Vale a pena tentar
Se o amor vem.
Não vem por acaso
É uma coisa além que faz surgir
Não é lenda não essa sensação
Que domina você
É questão de pele
Se bate, não dá para esquecer

Quando aparece uma chance em mil
Você tem que pegar
Não acontece duas vezes
Se desta vez passar
Se resistir até o fim
Seu tempo acabou
Sinto muito.
Mas, assim é o amor”


Ahhhhhhhhhh, Filosofia.
Ahhhhhhhhhh, Infinito.
awks disse…
A paixão me levou duas vezes à Brasília. Da primeira, guardo muitas boas lembranças. Da segunda, nem tanto.
Motivos egoístas me levam a sugerir a USP.
Leben disse…
Pijn.

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…