Pular para o conteúdo principal

[69]

Apesar de um espírito cristão considerar abominável a seguinte questão, penso que seja legítimo nos questionar o valor da vida. Claro que a vida é um bem e que esperamos ter o direito a ela na maioria das circunstâncias. Ou ainda muito antes de ela ser um direito, ela é o que de mais intrínseco um sujeito tem, sobre a qual ele exerce um governo absoluto, até que uma outra força maior que a dele própria, a natureza, por exemplo, a tome de si. Sendo assim, se a vida, em princípio, pertence ao sujeito, ele pode aniquilá-la sem reprovação moral. Os cristãos não pensam assim, pois acham que a vida é dada e tirada por Deus. O suicídio é imoral por ser um ato de contestação e usurpação do poder divino. Mas deixemos de lado o cristianismo. O que eu quero mesmo saber é em quais situações um sujeito deveria considerar a sua vida sem valor. Repare que falo em dever e não em ser. Um sujeito deprimido pode sentir a sua vida sem valor, mas ele não tem qualquer razão para julgá-la sem valor. Ele apenas a sente destituída de significado, em função do seu estado emocional. Mas podemos nos perguntar se um sujeito pode vir a pensar de maneira justificada que a sua vida não tem valor, mesmo que ele não sofra de qualquer depressão. Um sujeito que assim concluísse que a sua vida não tem valor, poderia inferir e aceitar racionalmente seu suicídio, o que não significa que ele necessariamente tiraria a sua vida, posto que há um certo abismo entre o pensamento e a ação. Mas o que diríamos de um sujeito que conclui que a sua vida não tem valor e não se suicida, que ele é imoral por não seguir o que ele, de modo justificado, pensa ser correto? Não tanto imoral, posto que a vida é dele e não minha, nem de mais ninguém, e se ele deixa de cumprir algo que lhe parece um dever, ninguém é por isso afetado, mas podemos dizer que ele é um fraco por não conseguir ultrapassar as suas barreiras emocionais e executar uma ação que ele mesmo considera um dever. Mudemos um pouco agora a pergunta. Que tipo de razão um sujeito pode ter para concluir que a sua vida não tem valor? O argumento aqui obviamente depende do que o indivíduo valoriza. Para perceber que a sua vida não tem valor, ele precisa encontrar alguns outros valores que ele assume e que a sua vida não está atendendo. Por exemplo, suponhamos que um sujeito considere fundamental que ele seja útil para alguém. Assim, se ele percebe que ninguém o ama e que ninguém precisa dele, ele estará justificado em concluir que a sua vida não tem valor, o que mostra que, para este indivíduo, há outros valores ainda mais fundamentais que a própria vida.

Comentários

TNC disse…
Mas qualquer sujeito, mesmo tendo o governo absoluto sobre sua vida, não está isento das responsabilidades decorrentes das escolhas sobre ela. Se a natureza de uma dado sujeito é algo que o define, então as opções que as opõem nunca deixarão de lhe colocar em conflito, pois é flagrante pretensão em oposição a realidade. Se por sua natureza não é permissivo tirar a própria vida, então tal ato será em qualquer circunstância uma imoralidade.

É natural a nós decidirmos contra a nossa vida?

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…