Pular para o conteúdo principal

[93] Liberdade e Compatibilismo

Liberdade negativa ou liberdade da espontaneidade é a capacidade que o indivíduo tem de agir segundo a sua vontade ou desejo (Hobbes, Hume). Na ausência de obstáculos, se o sujeito tem uma vontade, ele é capaz de realizar a ação que satisfaz essa vontade e dizemos que a ação foi livre mesmo que a sua vontade tivesse sido determinada por algum processo causal anterior, provavelmente inconsciente. Esse tipo de liberdade parece ser essencial para a atribuição de responsabilidade. Se não vemos o sujeito como produtor da sua ação, não tendemos a lhe imputar responsabilidade pela ação resultante. Se o braço do indivíduo A é movido por B para atingir C, não diremos que A é responsável pela dor causada em C, já que a ação de bater em C com o seu braço não foi produzida por ele, nem emergiu de alguma vontade sua.

Guardemos essa intuição sobre a atribuição de responsabilidade: o sujeito deve ser o produtor da sua ação, devemos percebê-lo como sendo a causa da sua ação, isto é, ela tem de partir da sua vontade.

Por outro lado, uma segunda intuição que temos sobre a atribuição de responsabilidade, que, na verdade, podemos entender como sendo a contraparte negativa da primeira intuição, é que a ação não pode ter sido coagida ou compelida, isto é, nenhuma causa externa deve ter compelido o sujeito à ação resultante. Enquanto a primeira intuição nos leva à liberdade da espontaneidade, demandando-nos ver a vontade do sujeito como causa da sua ação, a segunda intuição nos leva à noção de liberdade de indiferença (Kant), demandando-nos ver a vontade do sujeito como não necessitada por nada, pois, de outro modo, temos a impressão de que o sujeito foi compelido a agir. A liberdade de indiferença não pode ser atribuída à ação sem ferir a primeira intuição, pois se as ações não são necessitadas, ferimos a primeira intuição, isto é, não vemos o sujeito como produtor destas ações e assim tampouco lhe atribuiríamos responsabilidade. A liberdade de indiferença deve ser aplicada à vontade.

E a dificuldade grave é que, enquanto a liberdade da espontaneidade junto com a primeira intuição da atribuição de responsabilidade pressupõem a necessidade, isto é, a relação causal entre eventos, pois temos de ver o sujeito como causa da sua ação, a liberdade da indiferença junto com a segunda intuição negam a necessidade entre eventos, pois temos de ver a vontade do indivíduo como não-necessitada, como não causada por nada.

E não pára por aí: se a vontade do sujeito é completamente indeterminada, não-causada, qualquer ação do sujeito parecer-nos-á arbitrária, tanto quanto a sua vontade. Neste cenário, mesmo a vontade sendo a causa da ação, pelo fato de a primeira ser arbitrária, veremos a segunda também do mesmo modo, ferindo, assim, a primeira intuição da atribuição de responsabilidade. Em outras palavras, a primeira intuição parece demandar não apenas que a vontade do sujeito seja a causa da sua ação, mas que esta vontade esteja, de alguma forma, assentada em algo mais sólido, que ela nos soe coerente e compatível com o sujeito. Esse terreno mais sólido do qual deve provir a vontade causadora da ação, Hume chama de 'caráter'. Não à toa, à medida que vamos conhecendo o caráter de Raskólnikov, abrandamos a culpa que lhe atribuímos pelo assassinato da velhinha. Sua ação de homicídio não emergiu de uma vontade que nos pareça enraizada em seu caráter; ela nos soa mais como o produto de fatores circunstanciais dos quais Raskólnikov não tinha controle e, justamente por isso, por não notarmos uma vontade homicida no seu caráter, abrandamos o nosso julgamento.

Isso nos força a pensar que talvez a segunda intuição da atribuição de responsabilidade deva ser atendida de outro modo, sem requerer a liberdade de indiferença. O que conta como sendo uma ação compelida ou não não deve depender de uma vontade não-necessitada, devemos ter outros critérios para essa distinção.

Comentários

Anônimo disse…
o que eu estava procurando, obrigado

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…