Pular para o conteúdo principal

[127] Liberdade e Compulsão II

Em [125], relacionei os predicados "ser livre" e "estar em um estado de compulsão". Interpretei ambos gradualmente e defendi que quanto mais um sujeito se encontra em um estado compulsivo, menos ele é livre. Nada disse sobre a relação reversa. O sujeito ser menos livre por outras razões é algo que ainda deixo em aberto.

Um caso evidente de compulsão é a do viciado em drogas. Quando o grau do vício é muito elevado, descrevemos o sujeito como muito pouco livre, já que a sua vontade de consumir drogas prepondera o tempo todo ou quase o tempo todo. No entanto, podemos nos perguntar se o fato de ele ser considerado relativamente não-livre, nesta situação, se deve menos ao seu estado compulsivo, quebrando, assim, a associação que fiz, e mais ao fato de ele estar "preso" a uma "má" vontade, a saber, a de usar drogas. Se ele estivesse igualmente preso a uma boa vontade, diríamos que ele é livre? Enfim, o ser ou não livre depende do juízo de valor que fazemos das vontades preponderantes? Creio que não, a vontade ser boa ou má não repercute no julgamento que fazemos do sujeito como mais ou menos livre. 

Vamos pensar num caso em que a pessoa faz o bem compulsivamente, ou seja, a sua vontade não só prepondera como é o sintoma de uma compulsão. Em todo caso, é uma vontade boa. Por exemplo, imagine que S tenha a vontade de ajudar a A. Ou mesmo a A e B e C, já que um sujeito viciado em drogas também não se limita necessariamente à compulsão de usar uma droga, às vezes duas ou mais. Meu ponto é fazer uma analogia entre situações próximas. Sendo assim, S tem a vontade de ajudar A, B e C, mas não E, F etc. Mas S é também compulsivo em ajudar A, B e C. O que significa isso? Significa, entre outras coisas, que, em S, a vontade de ajudar A, B e C prepondera sobre quaisquer outras vontades que S por ventura venha a ter, na maior parte do tempo. S quer ajudar A, B e C o tempo todo ou a maior parte do tempo. S não pensa ou raramente pensa em fazer outras coisas. Eu jamais diria, neste caso, que S é livre, mesmo ele não fazendo mal algum a ninguém, mesmo A, B e C não se importando ou se chateando com a insistência de S em lhes ajudar e, portanto, fazer o bem a A, B e C. O fato de S só fazer bem para estas pessoas parece-me completamente irrelevante para o descrevermos como livre ou não. E, novamente, temos duas situações realmente análogas e os resultados são análogos. S não é livre. 

Também diria que S terá dificuldades para manter relações interpessoais com outras pessoas que não A, B e C. No entanto, diferentemente do caso do drogado, que faz mal a outras pessoas, aqui ficamos mais reticentes quanto a fazer algo forçadamente para que S perca a sua compulsão. O fato de ele não fazer mal a ninguém cancela a determinação prima facie de lhe impor o tratamento. No entanto, o fato de nos preocuparmos com S, o fato de desejar que ele tenha uma vida saudável, isto é, mantendo relações interpessoais não só com A, B e C, mas com quaisquer outras pessoas, e o fato de valorizarmos uma vida livre, pode muito bem nos levar a tentar, talvez com força menor, a impulsionar S a trata-se da sua compulsão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[194] Notas sobre a ética da crença

Resolvi organizar um pouco as minhas notas sobre um tema do qual a esfera pública, especialmente em tempos de pós-verdade, parece cada vez mais carente, a saber, a ética da crença.
Resumo:

Neste artigo, discuto a norma defendida por Clifford de que somente a crença baseada em indícios suficientes é legítima. Articulo os dois principais argumentos apresentados por Clifford em favor dessa norma, um que apela para o valor instrumental da crença baseada em indícios, e um segundo que apela para a credulidade acarretada e a corrupção da capacidade de evitar o erro se negligenciamos a referida norma. Sustento que o primeiro argumento é insuficiente para estabelecer a norma em geral. Crenças que não são meios para ações ficam de fora do escopo do primeiro argumento. O segundo argumento tem um alcance mais abrangente. Contudo, ele pode ser bloqueado se o agente segue uma norma intelectualista que visa insular as crenças injustificadas do restante da sua vida cognitiva e ativa. É uma questão …