Pular para o conteúdo principal

[157] Ética da e na discussão

Cada vez mais me interesso pela ética da e na discussão. Cada vez menos a vejo presente nas discussões, o que diminui o meu apetite pelas mesmas. Comecemos com algo bem simples. A e B discutem. A diz algo que, para B, parece ser absurdamente falso, no sentido de que ele nao consegue vislumbrar nenhuma razão para se sustentar o que disse A. Digamos que B interpreta o que A disse como P. Numa discussão minimamente respeitosa, este já seria um motivo para B pensar que ele não entendeu A corretamente e, assim, deveria tentar averiguar com A se o que ele disse foi exatamente P. B, no entanto, ignora o princípio do benefício da dúvida e segue adiante na discussão. Volta-se para A, e afirma:

- Isto que você disse, P, é simplesmente ininteligível!

Ininteligibilidade não se aplica obviamente apenas a sentenças sem sentido, porém gramaticalmente corretas, ou a sentenças gramaticalmente incorretas; ela se aplica também a sentenças absurdamente falsas. Na verdade, neste último caso, não estamos aplicando a ininteligibilidade propriamente à sentença, mas sim ao seu proferimento. Por não conseguirmos ver nenhuma razão a seu favor, não conseguimos entender como alguém poderia proferi-la. Não entendemos a ação de proferir a sentença P.

Neste ponto reside o perigo que ameaça por completo a discussão. Em princípio, não há qualquer razão para pensar que a proposição P parecer absurdamente falsa se deva menos à incapacidade de B de vislumbrar razões em favor de P do que à incapacidade de A. Porém, quando B afirma peremptoriamente "é simplesmente ininteligível!", ele implica, no sentido griceano, que a falta cognitiva é de A, A é quem age de maneira absurda. A ênfase de B em afirmar a ininteligibilidade de P exclui completamente a possibilidade de que ele reconheça alguma limitação sua na avaliação da verdade de P. "Não, P é absurdamente falsa e ponto final", diria ele.

"É ininteligível" poderia ser usada simplesmente para enunciar um fato, a saber, uma afirmação parecer absurdamente falsa a alguém. No entanto, quando este alguém diz "é simplesmente ininteligível!", este alguém faz muito mais do que simplesmente relatar um fato sobre como uma afirmação lhe aparece; além disso ele insinua uma falha cognitiva no seu interlocutor. Pode ser que A tenha essa falha ou simplesmente que ele tenha falhado no momento em que proferiu P, o que não depõe necessariamente contra a suas capacidades cognitivas em geral, mas a insinuação por parte de B desta falha, ao longo do debate, pode ser, e A tem todo o direito de fazê-lo, interpretado como uma ofensa. A ofensa é agravada, na situaçao considerada, em virtude de B, em momento algum, ter se mostrado disposto (1) a reconsiderar a interpretação que fez de A ("P parece tão absurdo que A deve ter dito outra coisa, vejamos...") e (2) a considerar que P parecer ser absurdamente falsa poderia se dever mais a sua incapacidade de vislumbrar razões para P do que P ser de fato absurdamente falsa.

B teve um comportamento tipicamente arrogante. E talvez agora só possamos contar com a paciência de A para que a discussão possa continuar sem tomar o rumo de uma escalada crescente de ofensas mútuas. Acho que dá para extrair alguns deveres disso facilmente, *se concordamos que a finalidade da discussão é avaliar a verdade ou falsidade de determinadas ideias*: devemos ser maximamente respeitosos com o nosso interlocutor e isso implica que a hipótese de falha cognitiva do interlocutor deve ser absolutamente o último recurso a ser utilizado para entender o que se passa numa discussão. Antes de utilizar a hipótese de falha cognitiva no interlocutor, utilize-a em si mesmo. Não digo que seja fácil, mas não sendo humanamente impossível, é nosso dever buscar a excelência moral na discussão. Se tenho ciência de que vários dizeres podem ser claramente ofensivos ao meu interlocutor, e se sinceramente almejo a discussão da verdade ou falsidade de ideias, então falho eu moral e cognitivamente se não refreio estes dizeres. É meu dever buscar ter este autocontrole sobre o que dizer e como dizer ao meu interlocutor.

Ressalva nietzscheana: se fôssemos suficientemente fortes a ponto de jamais nos ofendermos por conta de qualquer coisa que alguém pudesse nos dizer, então nenhum dever se seguiria para a condução da discussão. Concordo, porém não é humano não se ofender jamais. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…