Pular para o conteúdo principal

[165] Das diferenças argumentativas entre a primeira pessoa do singular e do plural

Constantemente me chamam a atenção por mesclar, em um mesmo texto, a primeira pessoa do singular com a primeira pessoa do plural. Dizem que, por uma questão de estilo, é preciso uniformizar. Eu acho essa razão muito fraca e que deixo de transmitir informação relativamente valiosa ao leitor quando uniformizo. Meus usos da primeira pessoa do singular e do plural seguem um padrão muito bem definido: no singular, quando quero deixar claro os meus compromissos teóricos, o que eu vou defender, qual é o objetivo do texto que escrevo, quais premissas dúbias assumo como verdadeiras; no plural, quando a argumentação está sendo propriamente desenvolvida, quando, supondo os compromissos explicitados, com os quais o leitor não precisa estar em absoluto de acordo, o raciocínio a partir deles deve soar pelo menos razoável a qualquer leitor. É também a diferença entre não convidar o leitor a defender o que defendo e convidar o leitor a pensar comigo em uma defesa particular do que defendo.

Estilo nem sempre tem razão, menos razão ainda quando, por exemplo, importamos uma norma estilística literária para o contexto da escrita filosófica. Alternar entre sinônimos pode, na literatura, enfadar menos o leitor, mas na filosofia, propicia a confusão conceitual. Não sei qual é o rationale da uniformização do número da pessoa nos mais diversos contextos de discurso, mas me parece claro, e agora estou inclusive sendo coerente com o que digo, ao usar a primeira pessoa do singular, que, num contexto francamente argumentativo, é mais razoável não uniformizar do que uniformizar, pelos motivos arrolados acima.

A este respeito eu sigo bem de perto o Descartes das Meditações Metafísicas. Na primeira meditação, onde ele vai introduzir o argumento do sonho, ele começa, na primeira pessoa, narrando a situação em que ele se encontra, em especial, a situação epistêmica de não conseguir distinguir sono de vigília: "quantas vezes aconteceu-me sonhar, à noite, que estava neste lugar, que estava vestido, que estava junto ao fogo, embora estivesse todo nú em minha cama?". A primeira pessoa do singular marca algo que ele está assumido, algo que ele vai defender. Porém, em seguida, quando ele vai desenvolver o argumento em favor da tese de que a experiência de vigília é indistinguível da experiência de sonho, ele usa a primeira pessoa do plural: "Suponhamos então, agora, que estamos adormecidos...que abrimos os olhos, que remexemos a cabeça, que estendemos as mãos...". Alguém em sã consciência pediria a Descartes para reescrever as suas meditações uniformizando os usos da pessoa do discurso?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[194] Notas sobre a ética da crença

Resolvi organizar um pouco as minhas notas sobre um tema do qual a esfera pública, especialmente em tempos de pós-verdade, parece cada vez mais carente, a saber, a ética da crença.
Resumo:

Neste artigo, discuto a norma defendida por Clifford de que somente a crença baseada em indícios suficientes é legítima. Articulo os dois principais argumentos apresentados por Clifford em favor dessa norma, um que apela para o valor instrumental da crença baseada em indícios, e um segundo que apela para a credulidade acarretada e a corrupção da capacidade de evitar o erro se negligenciamos a referida norma. Sustento que o primeiro argumento é insuficiente para estabelecer a norma em geral. Crenças que não são meios para ações ficam de fora do escopo do primeiro argumento. O segundo argumento tem um alcance mais abrangente. Contudo, ele pode ser bloqueado se o agente segue uma norma intelectualista que visa insular as crenças injustificadas do restante da sua vida cognitiva e ativa. É uma questão …