Pular para o conteúdo principal

[188] Valores e o ideal de ciência

"I first met questions of philosophy when I came up against the Soviet ideology under Stalin which denied justification to the pursuit of science...under socialism the conception of science pursued for its own sake would disappear, for the interests of scientists would spontaneously turn to problems of the current Five-Year Plan" (Michael Polanyi, The Tacit Dimension, p. 3).

É bem conhecido o caso de banimento de toda uma disciplina, a genética mendeliana, na ex-União Soviética durante o governo de Stalin.  A disciplina foi acusada de ser "reacionária" e os seus pesquisadores foram convidados a proclamar publicamente seus erros por desenvolvê-la. Contudo, a interferência indesejada na ciência não parte apenas do governo, ela pode partir também de empresas que financiam pesquisas, manipulando direta ou indiretamente os seus resultados para que fiquem mais alinhados com os seus interesses de mercado. É igualmente bem conhecido o caso de manipulação de pesquisa científica pela indústria de tabaco nos EUA nas décadas de 50 e 60.

Mas o problema não é tanto que haja pressões externas sobre a ciência, mas ao que elas estão servindo e como e sobre quais etapas da atividade científica essas pressões incidem. Que elas sejam o reflexo apenas de interesses do Partido Único ou de um punhado de empresas privadas deixa a ciência à mercê do enviesamento e da sua completa instrumentalização para fins outros que a busca da verdade e o bem comum. A resposta adequada para nos prevenir destes riscos não é a busca do ideal de ciência livre de valores, protegida de qualquer pressão externa. Em virtude da imersão da ciência na sociedade e da autoridade epistêmica que ela usufrui em decisões políticas e na elaboração de políticas públicas, é razoável que a ciência seja sensível ao interesse social. Alguns sustentam que é mesmo inevitável e desejável [1], [2]. Mas se aceitamos este ponto, que a ciência não deve ser pensada apenas como um fim em si mesmo, mas também como um meio suficientemente seguro para a realização do nosso projeto ético e social, então a reflexão sobre como a ciência deve ser sensível ao interesse social é urgente. E ainda muito mais urgente é a reflexão sobre o ideal de sociedade na qual a ciência deverá estar imersa. Na verdade, está em aberto tanto a questão sobre (i) qual deve ser o(s) objetivo(s) da ciência quanto (ii) quem e como deve decidi-lo(s).

Felizmente, a reflexão sobre o papel de valores não-epistêmicos na ciência, depois de muito negligenciada pela filosofia da ciência anglófona, voltou à agenda da disciplina. Abaixo, cito algumas das obras responsáveis por isso. Também é notável o espaço que o tema recebe na nova introdução à filosofia da ciência de Barker e Kitcher [3].

[1] Douglas,  Heather. Science, Policy, and the Value-Free Ideal. University of Pittsburgh Press, 2009.
[2] Kitcher, Philip. Science in a Democratic Society. Prometheus Books, 2011.
[3] Barker, Gillian & Kitcher, Philip. Philosophy of Science: a new introduction. Oxford University Press, 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…