Pular para o conteúdo principal

[193] Ter evidência e crer com base na evidência


Pedro tem evidência de que Marcos é culpado de um crime, pois uma testemunha ocular narrou para Pedro como Marcos cometeu um crime. No entanto, Pedro veio a crer que Marcos é culpado de um crime porque tem um ódio irracional e muito intenso de Marcos. Por causa desse ódio, Pedro acaba buscando se convencer, por algum processo de racionalização, de que Marcos é uma pessoa má e criminosa. Bastou ver Marcos apressado, com cara de culpado, para que Pedro se convencesse de que Marcos é culpado de algum crime. Pedro tem evidência de que Marcos é culpado de um crime, mas Pedro não crê que Marcos é culpado de um crime com base nessa evidência. Ele desconfia tanto das pessoas que negligencia o relato da testemunha ocular. Ele crê que Marcos é culpado de um crime com base em motivos que nada têm a ver com a verdade da sua crença e, por isso, não a justificam. Na linguagem dos epistemólogos, Pedro tem justificação proposicional para a crença de que Marcos é culpado de um crime, pois ouviu o relato da testemunha ocular, mas não tem justificação doxástica, pois sua crença não foi baseada na evidência que ele tem para essa crença[1]. Pode parecer que não há nada de ruim em crer sem se basear na evidência que se possui, já que a evidência que torna verdadeira ou provável a crença está disponível de qualquer modo. Contudo, de um ponto de vista cognitivo, é ruim que um sujeito acredite em uma proposição para a qual ele tem evidência sem se basear nessa evidência, pois esse sujeito acreditaria nessa proposição mesmo que ele não tivesse essa evidência. Pedro acreditaria que Marcos é culpado de algum crime ainda que não tivesse ouvido o relato da testemunha ocular, pois o processo de racionalização a partir do seu ódio ocorreria igualmente. Contudo, se Pedro acreditasse que Marcos é culpado de cometer um crime apenas com base na evidência disponível relevante e adequada, então na ausência dessa evidência, Pedro não acreditaria que Marcos é culpado de cometer um crime. Assim, como Pedro não acredita que Marcos é culpado de cometer um crime com base na evidência disponível, ele assume o risco de crer sem ter a evidência adequada. A evidência que ele possui é frágil, muito facilmente ele poderia não tê-la, por exemplo, se não encontra a testemunha ocular, ou se ela não conta o episódio que testemunhou etc. Ao correr esse risco, por não crer com base na evidência disponível, Pedro afasta-se da possibilidade de obter conhecimento, ele não realiza nenhuma conquista cognitiva que possa ser um caso de conhecimento. Essa diferença fundamenta por que não basta ter evidência para acreditar em algo, é essencial também que se creia nesse algo com base na evidência disponível.

Essa distinção pode iluminar situações da vida cotidiana. Suponha que um um juiz não tenha clareza acerca do que é boa razão para o que e introduza em um processo, como evidência probatória, trechos bíblicos que nada têm a ver com a sentença que ele pretende sustentar. O risco que ele assume de formar a sua convicção sem ter a evidência adequada é incompatível com a função que exerce, ainda que, no processo em questão, houvesse evidência adequada citada. Espera-se de um juiz (e não só dele, claro) que ele tenha justificação doxástica para as suas convicções, e não apenas justificação proposicional, isto é, que ele não apenas tenha evidência para a sua convicção, mas que tenha se baseado exclusivamente nessa evidência ao formar a sua convicção.

[1] Veja Bondy, Patrick, e Pritchard, Duncan, “Propositional epistemic luck, epistemic risk, and epistemic justification”, para uma discussão mais detalhada e técnica da distinção entre ter evidência e crer com base na evidência e da importância epistêmica de se crer com base na evidência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[194] Notas sobre a ética da crença

Resolvi organizar um pouco as minhas notas sobre um tema do qual a esfera pública, especialmente em tempos de pós-verdade, parece cada vez mais carente, a saber, a ética da crença.
Resumo:

Neste artigo, discuto a norma defendida por Clifford de que somente a crença baseada em indícios suficientes é legítima. Articulo os dois principais argumentos apresentados por Clifford em favor dessa norma, um que apela para o valor instrumental da crença baseada em indícios, e um segundo que apela para a credulidade acarretada e a corrupção da capacidade de evitar o erro se negligenciamos a referida norma. Sustento que o primeiro argumento é insuficiente para estabelecer a norma em geral. Crenças que não são meios para ações ficam de fora do escopo do primeiro argumento. O segundo argumento tem um alcance mais abrangente. Contudo, ele pode ser bloqueado se o agente segue uma norma intelectualista que visa insular as crenças injustificadas do restante da sua vida cognitiva e ativa. É uma questão …