Pular para o conteúdo principal

[143] Sobre a natureza da filosofia

Se o que é filosofia ou filosófico fosse sempre decidido pela tradição filosófica, estaríamos até hoje às voltas apenas com a pergunta de Tales: qual é o princípio básico de onde provém todas as coisas? A história da filosofia é um contínuo processo de extensão criativa da própria filosofia. Tenho a impressão de que o mesmo vale para qualquer saber particular, talvez em menor grau. Será que os gregos contariam o cálculo de probabilidade como pertencendo à aritmética e os fractais como pertencendo à geometria? Sem tomar ciência do desenrolar da própria matemática entre lá e cá, dificilmente. Outro exemplo: na cabeça de um grego antigo, "teoria do caos" seria uma contradição em termos. Atualmente, esta expressão designa um corpo de conhecimento relativamente corroborado. Ou seja, até aonde vai a teoria é algo que não podemos agora estabelecer em definitivo, muito embora tenhamos, do nosso ponto de vista atual, limites bem definidos para o que contar como teoria. O mesmo vale para a filosofia. Sua sina, ainda mais que a de outros saberes particulares, é se estender.

Cabrera nos chama a atenção (veja [140]) para o seguinte: enquanto o filósofo europeu-americano imerso na sua tradição filosófica não exerce absoluta parcimônia sobre a sua própria tradição, forçando-a aqui e ali a estender-se, nós, herdeiros canhestros desta tradição, paradoxalmente adotamos a atitude de maior conservadorismo possível diante desta tradição. Tomamos como diamante puro e lapidado aquilo que nem absolutamente nos pertence. Falta-nos não só lapidar o diamante, como cavucar em nossas minas os nossos próprios. Se eles podem estender a filosofia, nós também podemos.

Se a falta de ligações explícitas com a tradição filosófica nos faz ver um texto como menos filosófico tanto pior para a nossa visão filosófica. A filosofia não deveria se orgulhar de uma visão míope. O fato, por exemplo, de a tradição filosófica européia-americana ter, nos últimos dois séculos, se aproximado enquanto gênero do artigo científico, do paper, em detrimento dos diálogos, dos ensaios e sabe-se lá de que mais outros gêneros, só depõe contra a filosofia enquanto filosófica, pois ao invés de fomentar a sua extensão, força a sua redução a apenas uma de suas facetas.

Não se deve esperar do vôo filosófico a mesma parcimônia do rastejar físico. As semelhanças de família entre as entidades filosóficas são como as semelhanças entre indivíduos de uma família altamente miscigenada; já as semelhanças de família entre teorias científicas estão mais próximas das semelhanças entre indivíduos de uma família austríaca ou japonesa. Entre o primeiro grupo de semelhanças e o segundo, há uma diferença de grau substancial. Com isto quero dizer que há prima facie mais espaço na filosofia para a criatividade que na ciência ou que a primeira é mais flexível e extensível que a segunda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

[200] A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação, segundo Reichenbach

A distinção entre contexto de descoberta e contexto de justificação é normalmente apresentada como marcando a diferença entre, por um lado, os processos de pensamento, teste e experimentação que de fato ocorreram em um laboratório ou em um ambiente de pesquisa e que levaram ou contribuíram para alguma descoberta científica e, de outro, os processos de justificação e validação dessa descoberta. Haveria, portanto, uma clara diferença entre descrever como cientistas chegaram a fazer certas alegações científicas, o que seria uma tarefa para as ciências empíricas, como a sociologia, a psicologia e a antropologia da ciência, e justificar essas alegações, o que seria uma tarefa para a epistemologia, uma disciplina normativa e não-empírica. Essa distinção é corriqueira em debates acerca do escopo da filosofia da ciência e teria sido explicitada inicialmente por Reichenbach. Contudo, quando examinamos a maneira como ele circunscreveu as tarefas da epistemologia, notamos que alguns elementos i…

[138] Sonhos, Percepção e Alucinação, uma diferença intrínseca ou extrínseca?

Sonhos são diferentes de percepções que são diferentes de alucinações. A diferença talvez não esteja, muito embora possa estar, na qualidade das experiências que se tem ao sonhar, perceber ou alucinar. Sonhar, perceber e alucinar são estados diferentes nos quais o sujeito pode se encontrar. O sonho é um estado de repouso, os sentidos estão adormecidos e, no entanto, o sujeito passa por algum tipo de experiência fenomênica. O perceber, ver ou sentir é um estado de alerta, os sentidos captam informações do próprio corpo e do ambiente circundante que são apresentadas através da experiência perceptiva do indivíduo. A alucinação é um estado de desajuste neurológico/psíquico do indivíduo: ele tem a impressão de ver coisas que, na verdade, não existem absolutamente nas suas imediações.

Na terceira pessoa, examinando o indivíduo A, estes três estados de experiência são claramente distintos e facilmente distinguíveis. Diferenças na atividade cerebral podem nos fornecer critérios não-duvidosos s…

[197] Breve introdução à tese da mente estendida

A tese da mente estendida é distinta e não se confunde com o externismo acerca dos conteúdos mentais. Nesta breve introdução, apresento em linhas gerais o externismo acerca dos conteúdos mentais para, em seguida, contrastá-lo com a tese da mente estendida. Identifico e apresento, então, os principais comprometimentos da tese da mente estendida.

A tese do externismo acerca dos conteúdos mentais afirma que as relações causais que temos com o ambiente determinam, de alguma forma, o conteúdo dos nossos estados mentais, ou seja, aquilo que percebemos, ou aquilo acerca do qual pensamos algo, ou aquilo que desejamos etc. depende dos objetos com os quais interagimos causalmente. Um argumento comum em favor dessa tese é inspirado no argumento clássico de Putnam para o externismo semântico[1]. Imaginemos um planeta muito semelhante ao nosso, praticamente gêmeo nas aparências. Ele é abundante em um líquido muito semelhante à água, povoado com seres inteligentes como nós e que usam esse líquido…